Grandes nomes do Downhill Speed, do Street Luge e do Vertical representam skate brasileiro no World Roller Games


Walter Baresi - Crédito: Gerson Ceschini Publicada em: 03/07/2019

Grandes nomes do Downhill Speed, do Street Luge e do Vertical do Brasil estarão em Barcelona (Espanha) entre sexta e domingo (5 a 7 de julho) para a disputa do World Roller Games 2019 - um dos maiores eventos de esportes sobre rodas do planeta, com 11 campeonatos mundiais e chancela da World Skate.

No total, 19 skatistas brasileiros - oito no Vertical, oito no Downhill Speed e três no Street Luge - estarão na competição. Dentre eles, Douglas Dalua, com 20 anos de Downhill e três títulos mundiais, Karen Jonz e Rony Gomes, últimos campeões nacionais de Vertical.

Vertical

Seguindo definição do comitê dos atletas profissionais de Vertical, os escolhidos para as disputas da modalidade são os melhores colocados no ranking brasileiro. 

No feminino, além da paulista Karen Jonz, fazem parte da delegação a também paulista Jéssica Santos, campeã brasileira de Vertical em 2016 e vice em 2017, a carioca Bia Sodré, quarta colocada no brasileiro de 2017. Além do trio, Thaís Gazarra, atleta de São Paulo que hoje mora em Portugal, entrou via wild card.

No masculino, Rony Gomes puxa uma lista que ainda é formada pelo paranaense Augusto Akio, vice-campeão brasileiro em 2018, e pelos também paulistas Ítalo Penarrubia, terceiro no nacional de Vertical do ano passado, e Gabriel Machado, quarto colocado – vaga aberta já que Rony Gomes tem wild card para as disputas em Barcelona.

“Minhas expectativas são sempre as melhores. Tenho andado bastante no Vertical, modalidade que eu gosto muito. Estou super empolgado pela World Skate estar organizando um evento de Vertical. Quero fazer o meu melhor, quero me divertir, quero que a galera ande bem e que seja um campeonato de alto nível”, afirma Rony Gomes, que, em 2019, já conquistou a prata no Big Air nos X Games de Xangai (China).

Downhill Speed

No Downhill, o comitê dos atletas profissionais decidiu pelo ranking mundial como base para a escolha dos brasileiros convocados tanto no Speed quanto no Luge.

No Speed, as representantes do feminino serão as gaúchas Melissa Brogni, pentacampeã sul-americana (2013, 2014, 2015, 2016 e 2018) e bicampeã mundial (2013 e 2014), e Vitória Mallmann, tricampeã brasileira (2016, 2017 e 2018) e vice mundial em 2017.

“Estou me preparando há alguns meses, andando muito de skate. Não é possível treinar no dia a dia, pois trabalho de segunda a sábado, restando os domingos para os treinos. A expectativa é grande! Estou muito feliz em representar meu país e buscar a valorização e visibilidade dessa modalidade do skate. Vou dar o meu melhor em todos os quesitos, não foi fácil chegar até aqui. Irei me esforçar até o fim”, destaca Vitória Mallmann.

No masculino, a delegação será composta pelo mineiro Pepe Laporte, bicampeão sul-americano (2017 e 2018) e vice mundial em 2018 e pelos gaúchos Douglas Dalua, campeão mundial e sul-americano na categoria Master em 2018 e bicampeão mundial na categoria Open (2012 e 2013), Yan Bertinati, vice-campeão sul-americano em 2016 e 2018, e Tiago Mohr, campeão brasileiro em 2017 e vice sul-americano em 2015 e 2017. Além deles, ainda formam o grupo o paulista Fael Sabella, vice-campeão sul-americano master em 2019, e o catarinense Ian Freire.

Street Luge

O Street Luge terá três representantes do Paraná: Alexandre Cerri, vice-campeão sul-americano em 2015 e 2017 e campeão das Copas do Mundo de Street Luge em 2013 e de Classic Luge em 2011, Léo Borton, terceiro no sul-americano em 2017, e Walter Baresi, bicampeão das Copas do Mundo de Street Luge (2011 e 2017) e de Classic Luge (2013 e 2017).

“Desde que recebemos a notícia da convocação, os treinos ficaram mais intensos, tentando visar uma melhor condição técnica e principalmente física, pois saímos do inverno rigoroso em Curitiba para um verão com recordes de temperatura na Europa. Ouvi falar em temperaturas acima de 38 graus e, com um macacão de couro, não será fácil. Mas isso será uma dificuldade para todos. Fomos pegos de surpresa com a mudança do circuito da corrida. Passamos de um circuito lento, travado, de quase 3.000 metros, muito técnico, para um de 1.000 metros, com quase 10% de inclinação e aceleração do início ao fim, chegando a quase 100 km/h. Em consequência, as rodas mudaram, a estratégia mudou, a cabeça mudou. A configuração do Luge mudou. A corrida ficou aberta. É a primeira vez na história do Street Luge mundial que estarão reunidos os principais atletas do mundo para uma race”, completa Walter Baresi.


Karen Jonz - Crédito: Julio Detefon Jessica Santos - Crédito: Julio Detefon Bia Sodré - Crédito: Julio Detefon Thaís Gazarra - Crédito: Natalie Das Rony Gomes - Crédito: Julio Detefon Augusto Akio - Crédito: Julio Detefon Ítalo Penarrubia - Crédito: Julio Detefon Gabriel Machado - Crédito: Felipe Puerta Melissa Brogni - Crédito: Brian Dennis Vitória Mallmann - Crédito: Gustavo Azzine Pepe Laporte - Crédito: Peter Yandle Douglas Dalua - Crédito: Divulgação Yan Bertinati - Crédito: Luciano Lima Jr. Tiago Mohr - Crédito: Luisa Ferreira Fael Sabella - Crédito: Gerson Ceschini Ian Freire - Crédito: Wanderley Andrade Alexandre Cerri - Crédito: Gerson Ceschini Léo Borton - Crédito: Divulgação


apoios